Domingo, 16 de Setembro de 2007

SUPERLIGA2007-4ªJORNADA BENFICA 3-0 NAVAL


     

BENFICA   3«««-»»»0  NAVAL


Benfica-Naval, 3-0 (crónica)

 

Artigos relacionados:

Rui Costa: «Foi um jogo que me correu muito bem»

Benfica-Naval, 3-0 (destaques)

Benfica-Naval, 3-0 (ficha)

Benfica: Edcarlos e Cristian Rodríguez no onze oficial para a Naval

Escócia: Celtic goleia Inverness e salta para a liderança

Benfica: Katsouranis pode regressar ao meio-campo em Milão

Camacho elogia Rui Costa: «O segundo golo é muito difícil de ver no futebol»

Camacho irritado com os primeiros e os últimos 15 minutos: «Isto não é ténis!»

Francisco Chaló: «Houve apenas falta de eficácia»

Benfica: Petit lesiona-se e falha jogo com Milan

Rui Costa: «Foi um jogo que me correu muito bem»

Benfica-Naval, 3-0 (destaques)

Benfica-Naval, 3-0 (ficha)

As interjeições foram tantas ao minuto 35 que todos se aperceberam de que tinha acontecido algo grande no relvado. Não pelo momento histórico, não pelo que significava para a equipa e muito menos pelo respeito que o nome do adversário provocava. Apenas pelo que tinha acontecido, sem qualquer conjuntura anexa: um golo enorme de Rui Costa. Um golo que sublinhava a duplo-traço todo o talento de um fora-de-série, que aos 35 anos ainda tem algo a mostrar, a ensinar e outro tanto a acrescentar a uma equipa que se revê em todos os momentos na sua liderança. O 3-0 final traduz perfeitamente as largas diferenças de ambições entre as duas equipas, embora um tento de honra da Naval não tivesse caído mal a ninguém.

Os dividendos tirados do fantástico momento do «10» também eram simples: o Benfica partira para o intervalo com o jogo ganho, sem ter sido necessário correr muito, apenas porque as forças em campo lhe davam clara superioridade. Bastava um desequilíbrio para que a teoria se confirmasse. E isso aconteceu quando, depois de algum acerto até aí, o meio-campo figueirense não se deslocou para compensar o aparecimento de Cristian Rodríguez a vinte metros da baliza, com a bola ao jeito do seu pé esquerdo. 1-0. Depois, mais um erro, permitindo um bonito desenho de contra-ataque, com Rui Costa a conduzir, recuperar a bola e, por fim, a finalizar um dos momentos mágicos da sua carreira. A diferença permitia gerir correrias e esforços a poucos dias do ambiente infernal de San Siro.

Os primeiros minutos pareciam demonstrar o evidente. O Benfica sabia que mais cedo ou mais tarde iria conseguir uma vitória tranquila. E nem precisou de ser muito «à Camacho» para o conseguir. A Naval não parecia enervada, trocava a bola no meio-campo dos encarnados, que se deixavam aparentemente dominar, tentando aproveitar o contra-ataque. Uma situação contranatura para um candidato ao título, mas ideal para os lançamentos de Rui Costa, as combinações com Nuno Gomes e a velocidade de Di María.

A exemplo do que se passava com o resto da equipa, o argentino pareceu algo perdido naquela posição 10, que originalmente era de Rui Costa, passou a ser de Nuno Gomes e, face ao cansaço que Cardozo trouxe da Colômbia, sobrou para si. Os primeiros 20 minutos foram demasiado tranquilos para o Benfica, que pouco atacou, e também para os figueirenses, que queriam imitar o que o V. Guimarães aqui conseguira: o nulo. Para isso contavam com o rendilhado entrosamento entre João Ribeiro, Davide e Delfim, que criavam constantes linhas de passe - sem grandes avanços é certo - na metade do tapete do Benfica.

O 1-0 libertou Rui Costa e Di María, fez crescer Rodríguez e Maxi Pereira e encaixou Nuno Gomes no jogo da equipa, aparecendo muitas vezes na construção das jogadas, quer em tabelas com o maestro quer em lançamentos para os flancos, criando um segundo e importante momento do contra-ataque. A primeira parte terminava com um Benfica ainda em crescendo, sem muitas oportunidades criadas, mas com a missão cumprida.

Por fim, Nuno Gomes

No segundo tempo, o ritmo não baixou de imediato, mesmo com Milão no horizonte. Depois do golo e de alguns pormenores, Rodríguez havia de aparecer para fazer um cruzamento para o regresso de Nuno Gomes aos golos, mais de seis meses depois. As notas negativas tinham, entretanto, surgido com o amarelo que afasta Di María do próximo jogo da Liga e com a lesão que coloca Petit fora de Milão.

Rui Costa, esse, continuava a correr a todas, cortando bolas nas alas, saindo em contra-ataque, ganhando fôlego para rasgar a defesa com passes milimétricos, rematando ele mesmo. Aumentando ainda mais a intensidade de um golo lindíssimo, quando decidiu correr para a baliza, entregou e recuperou a bola de Maxi, libertou-a na área para Luís Filipe, voltou a recebê-la, rodopiou sobre ela e rematou de pé esquerdo... Que pena, Camacho! Os adeptos estavam prontos para o aplaudir de pé.

 

Colado de <http://www.maisfutebol.iol.pt/noticia>

Benfica, Golo, C. Rodríguez, 23min, 1-0 Benfica, Golo, Rui Costa, 35min, 2-0 Benfica, Golo, Nuno Gomes, 51min, 3-0
publicado por acr0546leiria às 04:27
link do post | comentar | favorito

ACRLEIRIA

POSTS

SUPERLIGA2007-4ªJORNADA B...

TAGS

"futebol"

"segunda jornada liga sagres"

32ª volta à madeira e porto santo

desportofotonotícias 07-12-08

desportofotonotícias 15fev09

desportofotonotícias10-11-08

desportonotícias 08-09-08

euro2008

fotos de desporto 05 novembro 2007

fotos do desporto 24-11-2007

futebol - outras modalidades

jogos olimpicos-volta2008

notícias desporto 28-01-08

notícias desporto 29-02-08

noticias em destaque 06-10-2007

noticias em destaque 20-10-2007

rali centro de portugal

tour france 2008

voltabicicleta2007

vuelta espanha 2007 4ªetape

todas as tags

LINKS

ARQUIVOS

Março 2010

Novembro 2009

Outubro 2009

Agosto 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

PESQUISAR

 
blogs SAPO

SUBSCREVER FEEDS